22 de abril de 2019

Crônicas de uma motociclista zero quilometro - capítulo 6: kit para chuva

Morando em São Paulo, cidade que já teve o apelido de Terra da Garoa, não poderia deixar de pensar na proteção para os dias de chuva, ainda que no momento eu mal tenha coragem para andar no seco, durante o dia, imagina na chuva!

Mas uma coisa é meu medo momentâneo de andar na chuva e as chances de eu realmente não ser surpreendida por uma chuva nessa cidade em que o tempo muda mais que humor de mulher de TPM (não é lenda urbana, em São Paulo a gente sai de casa de blusa, no meio do dia está de regata, no final do dia pega um dilúvio e vai dormir com as estrelas... quando dá para ver).

Tão logo comecei a providenciar meus acessórios, fui ver um kit chuva com jaqueta, calça e a tal da polaina (para cobrir os pés), e encontrei um que ainda vinha com luvas impermeáveis e a balaclava, também conhecida como touca ninja, no Mercado Livre.

O kit que eu escolhi tem capuz na jaqueta. Quando chegou eu pensei "por que eu comprei com capuz?", mas já descobri que dá para colocar o capuz e o capacete por cima. Se bem que é melhor quando você usa o capacete aberto. No fechado é bem chato colocar o capacete por cima do capuz, mas não é impossível.

Eu estava em busca de um kit rosa, mas eles parecem mais fracos do que os pretos, então fui de preto mesmo. O bacana são os refletivos que têm nas costas da jaqueta e no zíper de ajuste da panturrilha, que ajudam você a ficar menos invisível no trânsito. Eu ainda pretendo usar uma faixa refletiva que eu costumo colocar na minha mochila, quando pedalo à noite.

Um probleminha que eu encontrei foi a polaina. Não existe para o meu tamanho!!!

A jaqueta e a calça são tamanho P masculina, o que fica bom (isso não fica elegante de jeito nenhum) para vestir por cima da roupa, as luvas também são P, porque é o menor tamanho disponível, mas eu nem sei se dá para usar as luvas e girar a manopla, já que meus dedos não encaixam muito bem (já me disseram que não encaixam bem na mão de ninguém) e as polainas são PP (na etiqueta está marcado 36), eu calço 34 e a impressão é que estou com polainas 38!

Como dizem, melhor polaina esquisita do que saco de supermercado, já que a polaina tem solado de borracha, que vai ser menos escorregadio do que saco plástico. Só não me preocupa mais a polaina grandona, porque eu tenho uma scooter, ou seja, meus pés só servem de apoio quando a moto está parada, fora isso, eles ficam apoiados no assoalho da moto.

Como eu ainda não peguei chuva (e por opção não vou pegar tão cedo), não posso comentar sobre a eficiência dessa capa, mas considerando que eu tenho uma bem mais fina para usar quando ando de bike e ela funciona, acredito que molhada eu não fico.

E agora que eu testei o kit comprado, posso dar minha opinião a respeito... muito a contra gosto tive que sair na chuva, mas porque eu estava na rua, começou a chover e eu precisava ir embora... ou ia na chuva ou ia na chuva! rs

A capa veste direitinho e de fato não molha nadinha, ainda que a sensação seja de que você esteja sendo molhado. Ter capuz foi ótimo para mim, já que nesse calor eu tenho usado um capacete aberto e o capuz ajuda a não permitir que entre água pelo pescoço ou queixo.

A polaina é uma desgraça, porque é muito grande. Não saiu do pé, porque é longa e o final do cano tem elástico, mas eu cheguei com a parte do tornozelo no calcanhar. Vou ter que ver se consigo fazer algum ajuste melhor para que eu sinta mais firmeza no uso dessa polaina. A parte boa é que cumpre sua função: pés secos!

Não usei a luva impermeável, porque eu achei melhor usar minha luva habitual. A balaclava vai seguir aguardando o inverno chegar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário