8 de agosto de 2011

Livro: O Símbolo Perdido

O Símbolo Perdido (The Lost Symbol) rende um filme e tanto, mas vai ser melhor como filme do que como livro.

Aqui, nosso professor Langdon é convocado novamente, para uma aventura em busca de um lendário mapa do tesouro de toda a sabedoria da humanidade guardada pelos maçons, ícones cheios de mística e que são retratados como quase bruxos nos livros de Dan Brown.

Alguns detalhes necessários à compreensão dos personagens se encontra nas primeiras páginas do livro de 512 páginas, mas que as 180 primeiras não tinham nada de interessante, ninguém pode negar.

Sabe quando você se sente num loop? Pois é a sensação que tive nas primeiras 180 páginas. Parecia que eu lia, lia e não saia do lugar, até que, de repente, começaram a acontecer coisas interessantes e assustadoras.

Imaginar como é visualmente o personagem mal da história, um tal de Mal'akh, já assusta, fico imaginando se o filme for feito, quem poderia ser.

Uma parte da descrição me lembrou muito aquele vídeo promocional de uma base especial da Neutrogena, que promete cobrir todas as imperfeições da pele, e para demonstrar a capacidade da base, eles pintam o modelo, conhecido como Zombie Boy, inteiro, fazendo suas tattoos sumirem após algumas horas de pintura.

Até vale a pena ler, mas tenha paciência ou corra das primeiras 180 páginas.