15 de março de 2021

Filme: Contágio (Contagion)

De tanto falarem, eu acabei assistindo somente agora o tal do filme lançado em 2011, mas que assistido agora, no meio da pandemia mundial do Corona Vírus, também conhecido como COVID-19, até parece um documentário.

Eu vou contar o filme, porque nem dá para falar em spoiler. Nossa vida atual é o spoiler desse filme (na data em que escrevo essa postagem, o Corona já nos afeta há mais de 1 ano e se você estiver lendo essa postagem muito tempo depois que o escrevi, espero que esse pesadelo já tenha acabado).

O filme começa com uma mulher de negócios (Gwyneth Paltrow), que está na China, marcando um encontro com seu amante no retorno aos Estados Unidos. Ela não está se sentindo 100% bem, mas acha que é só um mal estar passageiro em função de jet lag, muito comum em quem viaja à outra metade do globo.

Eles se encontram e ela não está melhorando, mas acha que pode ter pego uma "gripezinha"*.

Enquanto isso, alguns casos de morte súbita aparecem em diferentes pontos do mundo: alguns na própria China, um no Japão, nossa personagem inicial e seu filho nos Estados Unidos.

Assim como na vida real, nem todos pegam e isso é mostrado com o marido/pai (Matt Damon) dos 2 primeiros casos em território americano. Apesar de ter socorrido os 2 e ficado bem próximo deles, ele não contrai a doença e se descobre que de alguma forma ele tem anticorpos para o vírus.

Logo aparece o equivalente à nossa Vigilância Sanitária que entre Secretarias e Ministério da Saúde começam a divergir quanto o que e como deve ser informado à sociedade o novo vírus descoberto. Eles chegam a mencionar o H1N1, que quase foi anunciado como pandemia, gerou pânico, corrida às farmácias em busca de álcool e outros desinfetantes, mas foi rapidamente controlado e não chegou a precisar de medidas radicais para a contensão, ainda que seja uma preocupação até hoje.

No filme também existem hospitais de campanha para isolar o atendimento dos pacientes dessa doença e evitar a proliferação dentro dos hospitais, mas aqui, quem pega não sobrevive. Eles mostram inclusive valas de enterro coletivo com corpos que serão, em outro momento cremados, para evitar que haja contaminação por decomposição dos corpos.

Até o papel das fake news está retratado no filme com o personagem de Jude Law, o cara que usa sua influência digital para disseminar mentiras, fingindo, inclusive, que esteve doente e se curou com um remédio não indicado.

Em paralelo, uma corrida pelas vacinas e, no caso, a descoberta por cientistas americanos (na vida real eles não foram os primeiros) que burlam protocolos de testes para antecipar os resultados e que, claro, por ser ficção, apesar da semelhança com a nossa realidade, tem um final satisfatório.

O filme não chega a ser nem triste, porque a gente tem visto coisas parecidas (senão piores) na nossa vida atual, na nossa realidade. Fica com cara de mera constatação e talvez de alerta para a importância das medidas sanitárias.

No final, eles mostram como teria surgido o primeiro caso, mostrando exatamente como pode ter ocorrido na vida real a infecção e a transmissão mundial.

Observações sobre a vida real

As pessoas podem não lembrar mais, mas a diferença com o começo do H1N1 para agora, é que ela foi mesmo rapidamente controlada por medidas reforçadas na higiene (as mesmas recomendações de manter mãos limpas, não tocar mucosas com as mãos, evitar ambientes fechados e aglomerados) e boa ventilação.

Outra coisa que as pessoas não lembram é que a vacina veio rápido, mas como não ficamos dependente dela para retomar nossas atividades, muita gente ignora esse fato. A vacinação também não precisou ser geral, então no Brasil, somente os mais idosos e grávidas são vacinados de forma gratuita. Os demais devem buscar a vacina por conta própria, pagando em clínicas particulares de forma anual.

Mais uma questão relacionada ao H1N1 que se assemelha à COVID é que a primeira também sofre mutações constantes e no momento já tem outra numeração, que acompanha a mutação sofrida. 

* o filme não diz se o amante ficou doente ou se as demais pessoas com as quais ela teria tido contato no caminho contraíram a doença, ainda que seja possível imaginar que sim.

1 de janeiro de 2021

Enfim, 2021!

Feliz ano novo!!!

Que 2021 seja um ano de muita saúde, paz, tranquilidade, prosperidade e tudo de melhor que tenhamos em nossos planos e sonhos.

Que em breve tenhamos a vacina e que todos estejam devidamente vacinados para que possamos voltar a nos encontrar, nos abraçar, nos aglomerar sem medo e sem colocar aqueles que queremos bem em risco.

Que os números anunciados no noticiário sejam de pessoas salvas pela vacina e que aumentos, só se for de novas oportunidades de trabalho, estudo, e tantas outras coisas boas.

Que o novo ano, regido no horóscopo chinês pelo Boi, seja um ano de fartura em todos os segmentos: vida, amor, dinheiro, saúde, trabalho, aprendizados!!!

Feliz ano novo!!! Happy New Year!!! 

明けましておめでとうございます!今年もよろしくお願いします。

30 de novembro de 2020

Review: Amazon Prime Video, Music, Reading e Games

A essas alturas todo mundo já ouviu falar do tal do Amazon Prime, um dos pacotes de serviços da Amazon.

Eles oferecem inúmeras vantagens por um preço muito convidativo e bem mais em conta do que outros concorrentes (acho que de qualquer concorrente), e se você tem dúvidas, assim como eu tinha se vale a pena, apesar do preço, eles ainda oferecem 30 dias de teste gratuito.

Mas como cada qual tem sua opinião a respeito de cada coisa, eu vou deixar minha visão dos prós e contras do serviço que eu testei para você tirar suas próprias conclusões.

O pacote da Amazon Prime oferece 5 serviços por R$9,90 (nove reais e noventa centavos) por mês, que podem ficar por menos se você fizer a assinatura anual (R$89,00, que dá aproximadamente R$7,42/mês).

Os serviços oferecidos são: frete grátis para produtos vendidos e entregues pela própria Amazon, descontos especiais em produtos selecionados, streaming de filmes e séries, músicas, ebooks e jogos online.

Um serviço que eu não tenho como avaliar é o de Jogos, porque eu não conheço nenhum dos jogos. Eu sou do tipo jogos de dança em console físico (Just Dance, Dance Central, DDR), Mario ou jogos tipo puzzle de celular.

O frete grátis dispensa comentários, ainda mais porque não tem restrição de valor, o que ajuda muito a comprar coisas por impulso. rs Uma amiga está enlouquecendo com a compra de livros, porque agora ela não precisa ficar enchendo o carrinho de compras para completar o valor mínimo que dá direito ao frete grátis e compra com menos cerimônia.

Aliás, fica a dica. Se você não tem controle emocional e/ou financeiro, melhor nem assinar para não cair em tentação e se dar mal.

Como eu assinei (de caso pensado) no período que se encerraria depois da sexta negra, conhecida também como Black Friday, eu comprei um Kindle com desconto especial, um box de DVD de uma série que eu coleciono, caixas de cápsula de Dolce Gusto, tudo com frete grátis.

O Prime Video com certeza é um dos melhores motivos para comprar o pacote. 

Se você pensar na época da locadora de vídeos (lembra que tinha um trem chamado fita VHS e que tinha multa se devolvesse sem rebobinar? Sim, eu sou dessa época!), a locação de um DVD qualquer deve ser quase o valor da assinatura do pacote Prime todo.

Se você assistir pelo menos um par de filmes, já está valendo assinar.

Eu me empolguei no começo, mas já desanimei, porque eu não gosto muito de assistir TV durante a semana e para assistir uma série, eu acabo fazendo aquele esquema de maratonar, o que acaba com o meu fim de semana e com o repertório que me interessa no catálogo.

Mas tem bastante coisa legal, não dá pra negar. 

Uma variedade que inclui até umas séries de produção própria em japonês (claro que eu considero isso um diferencial positivo, uma vez que é difícil encontrar programação em japonês por aqui, mas não achei nada muito interessante).

Se eu não tivesse o pacote de canais da TV a cabo, acho que ficaria com a assinatura, porque tem várias séries de outros canais, como Sony ou Universal... também existem os pacotes premium dentro do Prime Vídeo, mas você paga a parte.

Já o Prime Music definitivamente não me atende. Apesar de dizer que tem um acervo enorme, do que eu gosto tem pouco.

Ainda tem um detalhe, eu sou daquelas que quando cisma com uma música, ouve a mesma no modo repeat por semanas. Pra mim, compensa comprar o CD (sim, existem pessoas que gostam das mídias, das caixinhas, dos encartes), converter em MP3 e carregar no meu celular ou o meu velho ipod.

Se você curte lançamentos nacionais e alguns internacionais mais populares, acho que vai aproveitar bem.

O Prime Reading com certeza era um dos serviços que eu estava mais interessada em testar. O acervo é bem razoável, tem vários best sellers disponíveis e você pode "emprestar" até 10 livros por vez.

Coloquei o emprestar, porque é basicamente isso que você faz quando acessa o Prime Reading ou o Kindle Unlimited. Você escolhe o livro, ele disponibiliza na biblioteca e para selecionar o 11°, você precisa "devolver algum livro emprestado". Assim que sua assinatura encerra, o livro é automaticamente "devolvido" e não há possibilidade de seguir a leitura a não ser que você pague o próximo mês da assinatura.

Achei bem legal mesmo, mas esse serviço só será considerado proveitoso para quem lê em quantidade durante o mês, tipo minha amiga que chega a ler 12 livros num mês (a minha meta mensal é de 2 livros e eu me dou por satisfeita!). Mas como o serviço vem no pacote, acho que vale a pena, nem que seja para folhear um Super Interessante antiga (normalmente, as revistas disponíveis são de até 1 semestre atrás, não tem as revistas do mês, muito menos da semana).

CONCLUSÃO

A bem da verdade, se você assistir 1 filme ou 1 série, ler 1 livro ou revista, já terá o retorno do seu investimento, então vale a pena assinar o Amazon Prime. Eu só não continuei com a assinatura, porque, definitivamente, não vou assistir sempre filmes e séries pelo Prime, porque tenho outro serviço pago que me atende nesse quesito, tenho muitos livros físicos, além de outros ebooks em fila para ler antes de me aventurar por novos ebooks, não ouço música em aplicativo (nunca tive interesse em Spotify e afins pela mesma razão apresentada acima) e, apesar de ter comprado algumas coisas, não achei os preços muito melhores do que eu consigo comprando no Submarino ou Americanas, usando o benefício do cartão das lojas.

Enfim, como eu disse, cada um terá sua opinião, mas mesmo se tratando de menos de R$10,00, se for para pagar por pagar são R$10,00 jogados fora todo santo mês e não sei o seu, mas o meu dinheiro não dá em árvore. rs

16 de novembro de 2020

Papai Noel dos Correios 2020 será virtual!!!

Como tudo neste ano esquisito, os eventos estão acontecendo de forma virtual para favorecer o distanciamento social e evitar a propagação do Corona Vírus.

Eu me perguntava como seria feita a ação do Papai Noel dos Correios, que eu adotei como minha parcela de solidariedade nessa época de festas, uma vez que todo mundo que vai lá adotar cartinhas mexe nas caixas todas e isso seria péssimo.

As cartas são comoventes. Algumas crianças pedem comida, outra escrevem em nome de irmão(s) mais novo(s) pedindo coisas simples como uma roupa e as minhas favoritas: livros e material para estudar.


Então os Correios já anunciaram a ação do ano: Papai Noel dos Correios Virtual!!!

Daí eu tinha pensado que cartas digitadas seriam tão sem graça, porque o gostoso é pegar aquelas cartinhas desenhadas, com a letra tortinha da criança que está aprendendo a escrever e o faz com todo capricho... então as regras são que as cartas ainda devem ser manuscritas!

Vai ser mais complicado, porque quem não for levar no Correio a carta pode acabar não podendo enviar a sua carta, já que para o evento virtual, a carta manuscrita deverá ser digitalizada para que possamos adotá-las pelo site.

Claro que isso poderá permitir que eu adote cartinhas de bairros aos quais eu não teria acesso na modalidade presencial, uma vez que eu sempre fui adotar minhas cartinhas lá no Correios do Vale do Anhangabaú.

Os demais procedimentos seguem os mesmos: você compra o pedido, embala em papel pardo sem identificação, leva numa agência própria dos Correios até a data limite (não pode ser franquia, os endereços podem ser confirmados no site dos Correios) e eles se encarregam de entregar o presente para a criança.

O serviço dos Correios sempre deixa muito a desejar, mas essa campanha deve ser das poucas coisas boas e que, até onde eu sei, funcionam.

Confira as informações no https://blognoel.correios.com.br/app/index.php.

As adoções começam dia 18/11/2020.